Sempre sonhei com realidades inóspitas. Mundos onde o pior aconteceu e onde tudo é um pouco mais do que parece.

Hoje eu sonhei com a minha cidade. Pós Covid, não sei quantos anos depois. Afinal, aqui ninguém usa máscara direito, todo mundo se aglomera, o prefeito e governador pouco se importam com lockdown, a vacina segue devagar, tem tudo para acontecer o que imaginei.

A Floripa do meu sonho de agora era uma cidade vazia, aberta como campus universitário, com pouquíssimos velhos, muitos jovens e nada para fazer. Uma cidade ociosa. A maioria do comércio no centro faliu e os…


É, eu acredito que tenha uma história meio peculiar. Em alguns pontos, ela é como a de todo mundo, em outros ela é estranha.

O meu primeiro contato com a filosofia foi bem cedo, eu tinha começado a aprender a ler, lá com meus 6 anos de idade, com um livro didático que tinha na minha casa, eu ouvi falar do tal do Sócrates. O Platão nunca me animou muito - já o Sócrates... Viver filosofando, questionando as coisas por aí - sem o fru fru que muita gente usa para pagar de inteligente. …


O que existe possui uma aura. Quando você toca um objeto ou vice-versa, há uma certa solidez, uma força, uma forma, estrangeira de você.

O algo que existe é, portanto, “alguma coisa” logo ali, estranha à você, que pode existir sem a sua necessidade.

Um homem das cavernas existiria para todos os outros animais e coisas além do homem.

Já o homem digital ele existe só para o homem. O que se sabe dele só se sabe a partir de objetos e percepções do homem.

Ele não possui aura, ele não é sólido, não possui força, não possui forma, ele…


Por uma vida digna

Acredito que a coisa mais complicada de se fugir é o desânimo. Muitos de nós não temos nada animado dentro de nós. Estamos todos presos à uma viagem de trem, onde cada parada, cada paisagem, cada túnel, é parte da nossa vida que se passa. Todo dia, toda semana, todo mês, todo ano - se esvai. Desaparece como pó.

Então de repente, você está no limbo, bem naquela hora antes de morrer, notamos que a vida passou e não tem nada depois. Ainda que tivesse, faria diferença ? A sua vida foi desperdiçada. Você não foi…


Nas últimas semanas, eu ando com a cabeça um pouco cheia. Preocupada com mil coisas, tendo pesadelos ou com ataques de insônia, sem muitas perspectivas de futuro. Não acredito que eu seja a única a estar assim, não é a toa que muitas pessoas se tornam fumantes, viciados em café e entorpecidos em pessimismo “realista”. Viver hoje em dia é como estar em um grande deserto procurando por miragens. Nós, ironicamente, como construtos pós modernos que somos, acreditamos em alguma verdade e ela é o nosso mundo. E de certa forma, nós sabemos que cada verdade é só mais uma…


Ultimamente, eu ando tendo certa dificuldade de escrever. Venho perdendo a crença de que meu leitor distante de algum outro tempo ou espaço realmente existe. Vem sendo difícil acreditar que existe alguém do outro lado da tela.

Esse mundo não-humano é angustiante para quem ainda não se libertou da humanidade. No meio de tudo isso, vou tentar fazer aquela avaliação do que fazer.

Vou começar pelo óbvio, Bolsonaro e Covid.

A crise já chegou ao ponto de diversos países começarem a recusar brasileiros. Ou seja, você que pensa sair do Brasil, saiba que não tem saída. A situação trabalhista é…


Estudando filosofia aprendi a viver em discordância. Consigo ler textos, criticar autores, ter ressalvas aqui e ali, ainda sim, não perder amizades como muita gente. Discordar sem "tretar", sem processos jurídicos e dossiês deshonestos.

Dito isso, costumo não gostar de diversas posições do grupo do Nildo Ouriques, da IELA e da ala do PSOL chamada Revolução brasileira. Quanto ao imperialismo, prefiro Toni Negri, quanto a América Latina prefiro ouvir Richard Rorty e Paulo Ghiraldelli, com a ideia do cidadão hifenado. Quanto à política, gosto de pensar ela como mais participativa e menos vanguardista, mais democrática ao estilo pragmatista.

Evito os…


Nós acreditamos no Morus por bastante tempo. Até metade do século XX muita gente ainda era comunista e mesmo do lado de cá, parecia possível viver uma utopia. O Brasil dos anos 50 não deixa me deixa mentir. No entanto, do lado de lá Stalin foi revelado um monstro assassino e as últimas décadas da URSS foram pobreza, decadência e depois que o muro caiu a coisa continuou ruim e tá ruim até hoje. Enquanto aqui, Luther King e Kennedy foram mortos, 68 foi a nossa última revolta, para entrar em uns anos 70 com medo de guerra nuclear e…


Sonhei que eu era uma máquina humana, uma metade carne e outra ferro. Era a mais eficaz. Isso porque, eu tinha as memórias de uma sobrevivente do apocalipse, de quando as máquinas chinesas começaram a se autoproduzir e tomaram a China, deixando Hong Kong e Taiwan como um dos últimos locais de resistência naquela região. O resto do mundo foi desconectado dado que androides chamados Cérebros tomaram as comunicações.

Eu tinha uma memória parcial da aventureira. De seu tempo, com seu pai no meio das florestas. Não entendia seu amor secreto pelo vizinho, um rapaz jovem da idade dela, que…


Sabe, por um tempo eu parei de escrever. Nessa época eu pensava "quem que vai ler as coisas que eu escrevo ?" e a minha resposta quase sempre foi "ninguém". Sabe, eu me sinto muito sozinha de uma forma quase absoluta.

Não existe escrita sem leitores. Tentei escrever para mim mesmo, nunca consegui, afinal as ideias estavam na minha cabeça, por que eu precisaria expressar elas para mim mesmo ? Até porque, pelo menos em alguns momentos, sempre duvidei muito que eu existisse. O que me confirmaria que tudo não passa de uma alucinação ? Nada me responde de volta…

Marlin Rose Jones

Apenas alguém tentado refletir num mundo sem luz.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store